Um sol para as linhas

Fico com essas palavras envoltas em meu manto de canto: os silêncios são compostos líquidos, corroem o tempo com sua estrutura de aço e linho, sacodem o pó da terra, retiram de mim o que há de estranho. Cântico e silêncio: escrevo com vestes de quem partiu, de quem se foi, mas que está a espreitar um tempo.

Não mistifico a vida, não há o que se fazer, nem mesmo o tango argentino seria agradável. Escuto o que há para escutar: vazio. Recolho, então, meus papéis (nos quais o tempo se insere, sinuoso) e arranco e arranho e arrisco dizer: tempo-matéria, coisa opaca, estranhamento de dias. Faço de tudo para não fazer e como um barco a velas, um barco à deriva, me sinto porto em pátria desconhecida.

Desconexos desencantos em minha volúpia. E canto e digo e sou: arquivista de negação.

Anúncios

4 Responses to “Um sol para as linhas”


  1. 1 b maio 7, 2010 às 11:07 am

    Morre e espreita, barco e cais.
    Negação seria a possibilidade zero e você dança entre o que sente e tão bem expressa.
    Há movimento aí – de opostos e de balanço.

  2. 2 Daniela Borali maio 7, 2010 às 5:12 pm

    Não sou boa na arte de traduzir o outro, por isso o outro me causa este estranho e agradável encantamento.
    É sempre este ser místico, mesmo que negue ser, este ser incognoscível que me inspira!

  3. 3 talita maio 7, 2010 às 11:17 pm

    […] um sol para linhas – amar, mar, amar és, amar és, linhas. Amarelinhas: cor de vida, sensação lubridiante que embalsama os olhos, que às vezes de tão clara indica o excesso da ausência, não ausência da tua presença, mas aquela que me impede de te consumir.
    Já me desconheço, embora me encontro várias vezes ao dia em ti. És a minha extensão. Sim. És. Quem me vira em frege, mas ao rodopio, segura minha mão e caminha, ora em frente, ora atrás, ao lado, abaixo e acima. Uma carta inquieta girando ao meu redor. Anda um caminhar descompasado, se perde e me invade com passos levementes austeros. E por que assim és. Levemente Mar És, me vejo refletida em tudo, até em teus desassossegos. Não, não nego, apenas reflito, me entrego e me esvazio. É aonde chove que te espero. É nesses nossos ventos difusos que nos encontramos. E eu amo tanto[…]

  4. 4 talita maio 7, 2010 às 11:37 pm

    Errata:
    descompassado*


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Burguesia

Híbrido espanto: poemas, contos, comentários e de vez em quando ciências sociais.

Calendário

maio 2010
S T Q Q S S D
« abr   jun »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Páginas


%d blogueiros gostam disto: