A conta, por favor.

Lutaste, escreveste, desempenhaste um papel. Foste o último homem
a levantar a língua contra o mundo, ternura seca.

Foste e já não existes: ficaste para nós como história
um vento a nos estancar os lábios: já não temos direito à voz, calamo-nos
porque o dia agita as vozes, detém as esperanças, atravessa
teu corpo (agora frio) e o transfigura de silêncio.

Um silêncio anunciado de palavras.

Anúncios

3 Responses to “A conta, por favor.”


  1. 1 Daniela Borali junho 21, 2010 às 9:14 pm

    Suas palavras me tocam tão profundamente que chego a mergulhar num universo tão meu, tão particular, mas que só alcanço por meio desta magia incognoscível…
    Mais uma vez sinto-me viva!

  2. 2 Marcos junho 23, 2010 às 2:25 am

    Posso dizer, sem exageros, que morri mais do que já morro todos os dias com essa perda.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Burguesia

Híbrido espanto: poemas, contos, comentários e de vez em quando ciências sociais.

Calendário

junho 2010
S T Q Q S S D
« maio   set »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

Páginas


%d blogueiros gostam disto: