12 de outubro

As primeiras noites me vieram como um líquido ou lâmina: afogaram meus pensamentos, esfaqueando meus sonhos como se tivéssemos realmente ousado sair desta órbita e pairar noutro universo que não este. Depois me vieram os olhos arregaçados pelas mangas, atraídos por uma sinfonia de músculos e lábios e acabamos contorcendo demais os ruídos que abafavam esse quarto. Pensei que houvesse obtido alguma gratificação, um lodo razoável deste mundo ao qual me rendo e me surpreendo ao conhecer-me convencido de que nada será uma esfera ou um tanque de guerra. Saíremos aos montes, como grãos de alguma colheita ou mesmo família reduzida a pó: teremos nossos pés atados, como se estatalmente nos soubéssemos gratos. No fundo, somos ingratos com o que temos e com o que nos acolhe: temos sempre a mão um impulso e nossa força é pífia como se Deus ou os deuses ou orixás ou pouco importa a força divina ou talvez não tão divina assim aproximasse nossas idéias dos cotovelos e secretamente nos dissesse aos ouvido: sabes de ti o tanto quanto de mim.

E nos joga além. No entanto, fica o fim a principar.

Anúncios

0 Responses to “12 de outubro”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Burguesia

Híbrido espanto: poemas, contos, comentários e de vez em quando ciências sociais.

Calendário

outubro 2010
S T Q Q S S D
« set   nov »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Páginas


%d blogueiros gostam disto: